Novo modelo de Gestão, o 3.0 foca na felicidade das pessoas!

Novo modelo de Gestão, o 3.0 foca na felicidade das pessoas!

12 de abril de 2019 0 Por admin

O modelo 3.0 é um modelo de gestão que tem como base o pensamento complexo. Ao invés de focar em hierarquias e cargos, existe a prioridade na maneira como as pessoas se comportam e se relacionam. Dessa maneira, as empresas são vistas como grandes redes de relacionamento entre pessoas e as organizações são consideradas grandes sistemas de alta complexidade.

O Management 3.0 é um movimento inovador de liderança, que define o gerenciamento como a responsabilidade de um grupo de pessoas. Esse modelo surgiu com Jurgen Appelo baseado nas experiências de sua carreira como Agile Manager, sendo caracterizado como um modelo prático e vivo. “O que chama a atenção é que este modelo não é uma receita a ser seguida à risca, mas sim para entender os conceitos e adaptar a realidade de cada um”, explica Fabio Padilha diretor do Brasília Capital Fitness.

Os métodos ágeis são modelos de gestão que surgiram para fazer frente aos chamados modelos robustos e pesados. Com o foco na autonomia dos times e na sua capacidade de auto-organizar em busca de objetivos e metas estabelecidos. Ou seja, enquanto os modelos robustos estão focados em entregar projetos e produtos, o 3.0 está focado em crescer a organização e as pessoas que estão ali.

No início do século XX, o mundo estava focado em ser eficiente, as indústrias queriam ser eficientes. Logo, o que existia era uma linha de produção, onde se existiam passos para a produção de algo e a matéria-prima entrava em uma ponta e o produto saia na outra. Nesse modelo, os trabalhadores eram apenas executores, precisando se importar em fazer a sua rotina de atividades do dia a dia. Por esse motivo, surgiram as hierarquias e o poder de decisão de como fazer e o que fazer que estava centralizado no topo da pirâmide, nascendo assim, o modelo comando-controle.

No final dos anos 90 e início dos anos 2000, surge o Management 3.0, onde as organizações são vistas de maneira totalmente diferentes, o que fez com que este modelo se adequasse a realidade atual.  Além de ter a base na complexidade, o M 3.0 também tem foco nas pessoas ou melhor, no bem estar das pessoas. Agora o 3.0, segundo Jurgen, em seu livro é devido a facilidade com que as pessoas ligam esse número ao século XXI e também por ser considerado uma evolução dos modelos anteriores. Ou seja, as pessoas são a parte mais importante das empresas e os gestores devem conseguir manter todas elas motivadas, ativas e criativas.

As restrições sempre são importantes para guiar e alinhar o interesse de todos os envolvidos. Visto que, por mais engajadas que as pessoas estejam, se o foco não for único, toda ação tomada pode ser em vão. O time deve ser auto organizado e também autossuficiente, ou seja, preparar e evoluir as pessoas deve ser uma prioridade. Toda organização deseja crescer, no Management 3.0 isso não é diferente. Porém o crescimento deve ser consciente e com foco na qualidade do ambiente colaborativo.

Melhoria contínua deve ser uma lei, ou seja, a receita do sucesso vai ser errar e aprender com os erros, dessa maneira não tem como não atingir os objetivos e metas. Mas, não é só cuidar de pessoas e pronto. A organização deve ser dinâmica e aprender com as situações que o mercado impõe. Por esse motivo ter uma estrutura que permite uma rápida adaptação a mudanças vai ser um diferencial em qualquer mercado. “Por isso sou um grande defensor dos conceitos que o Management 3.0 traz para a gestão das organizações”, conclui Fabio.Parte inferior do formulário